Ato público pede justiça por Zaira Cruz, morta em Caicó

Por Iara Nóbrega Jornalista –DRT-PE 1405 11/03/2019 00:32

“Quem matou Zaira? ”, em busca de uma resposta manifestantes saíram com faixas, cartazes, e vestido de preto em ato de justiça pela morte da estudante universitária, Zaira Cruz.

Por iniciativa popular, cerca de 250 pessoas se reuniram na Praça Cristo Rei no centro da cidade de Currais Novos, localizada na região do Seridó, no final da tarde de domingo (10) para reivindicar e denunciar a violência que as mulheres são submetidas de diversas formas.

Alguns homens, crianças também se juntaram ao ato público e empunharam cartazes que pediam justiça pela morte de Zaira Cruz, de 22 anos, encontrada morta em um veículo, no sábado de carnaval (2), em Caicó.

Após um suposto vazamento, do laudo do Instituto Técnico e Científico de Polícia do RN (ITEP-RN), que indica a causa da morte, asfixia mecânica e estrangulamento, mulheres se mobilizaram para pedir por justiça.

“ O protesto aconteceu por iniciativa popular, pela indignação acarretada pelo vazamento do laudo, que trás a causa da morte. O protesto não teve a intenção de acusar ninguém, mas sim de pedir por justiça por Zaira, e alertar as outras mulheres sobre o feminicídio” disse uma das integrantes da coordenação do ato, Vanessa Vieira.

Participaram do ato grupos de movimentos sociais, Marcha Mundial das Mulheres, Batalha do Gueto e o coletivo feministas Fogo Pagú. Com o auxílio de um carro de som, trouxe os dados da estatística de mulheres mortas no estado, depoimentos, música e intervenção artística marcaram o protesto.

O caso da curraisnovense, Fernanda Araújo morta pelo seu ex-esposo, também foi lembrado pelos manifestantes. Segundo uma das integrantes, a família de Zaíra deu apoio ao ato, mas não compareceram por se encontrarem em estado de consternação e preferiram não se manifestarem nesse momento de dor.  

Escreva sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Lista de comentários