Dez rodovias federais concentram 60% do total dos acidentes nas BRs

Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que há forte concentração de acidentes em uma pequena fatia das rodovias federais. Os números, calculados com base em dados oficiais da Polícia Rodoviária Federal, apontam que as 10 BRs com maior número de acidentes registraram, em 2016, 60% do total de ocorrências nas rodovias federais do país, totalizando 57.983 acidentes.

Juntas, essas rodovias apresentam uma média de 276 acidentes para cada 100 km de rodovia, enquanto a média brasileira é de 147 acidentes.

Essas 10 BRs equivalem a 38% da extensão total da malha rodoviária federal. Apenas as BRs 116 e 101 concentraram 29.436 acidentes, 31% de todos os registrados nas rodovias federais do país, com 1.663 vítimas fatais, 26% do total. Mas os números indicam a BR-381 como a rodovia mais perigosa do país, com taxa de 556 acidentes por cada trecho de 100 km.

A CNI defende que o planejamento dos transportes no Brasil leve em conta os números de acidentes nas rodovias federais para que os gargalos sejam superados e os pontos críticos recebam a devida atenção, a fim de que novos desastres sejam evitados. Na avaliação da CNI, a melhora da infraestrutura é imprescindível para o desenvolvimento da economia e para a competitividade do país.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o terceiro país com a maior quantidade de vítimas fatais no trânsito. Apenas nas rodovias federias foram registrados, em 2016, mais de 96 mil acidentes envolvendo cerca de 158 mil veículos e resultando na morte de 6.398 pessoas.

NORDESTE – O levantamento da CNI mostra ainda que, embora as regiões Sul e Sudeste concentrem a maior parte dos acidentes em rodovias federais no país, com 60 mil das 96,3 mil ocorrências registradas em 2016, é o Nordeste o recordista de mortes nas estradas brasileiras. De acordo com os dados, o Nordeste responde por um terço dos óbitos nas rodovias federais – entre as 6.398 mortes registradas, 2.051 aconteceram em estradas nordestinas.

Os números apontam também que 72% das mortes registradas em acidentes nas rodovias federais em 2016 aconteceram em pistas simples. Foram 4.607 óbitos em estradas simples, 1.568 em pistas duplicadas e 223 em pistas múltiplas.

Portal da Indústria

Escreva sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Lista de comentários