Fifa deve aprovar novo Mundial de Clubes e 48 seleções já na Copa do Catar

O resultado de uma reunião a ser realizada em Miami nesta sexta-feira será definitiva para o futuro do futebol mundial.

O Conselho da Fifa deve aprovar a criação de um novo Mundial de Clubes e dar mais um passo para a Copa do Mundo ter 48 seleções (em vez de 32) já em sua próxima edição, a ser realizada no Catar, em 2022.

A Fifa quer um Mundial de Clubes disputado a cada quatro anos, a partir de 2021, por 24 clubes – e com seis vagas para a América do Sul.

Esta nova competição substituiria não apenas o “velho” Mundial de Clubes como também a Copa das Confederações, dois torneios considerados fracassos técnicos e de público pela própria Fifa.

O novo Mundial de Clubes teria a seguinte distribuição de vagas:

8 para a Uefa

3 para Ásia

3 para a África

3 para a Concacaf

6 para a Conmebol

1 para a Oceania

Os critérios de classificação para o Mundial ficarão a critério de cada confederação. A Conmebol ainda não decidiu como vai fazer com a América do Sul. O que parece provável hoje é que os três campeões da Libertadores anteriores ao Mundial tenham vaga no torneio.

A única resistência ao novo torneio vem da Uefa, que já organiza a principal competições de clubes do planeta – a Liga dos Campeões – e vê com ressalvas a criação de um novo torneio, que obrigará seus principais clubes a jogar mais vezes numa temporada, ainda que seja apenas uma vez a cada quatro anos.

O Conselho da Fifa é formado por 36 integrantes, que representam as seis confederações continentais. A Europa tem nove representantes, número insuficiente para barrar a aprovação do Mundial de Clubes. Ainda que os europeus se oponham, tudo indica que a competição será aprovada.

48 seleções em 2022

A outra grande discussão na agenda do Conselho da Fifa é a possibilidade de aumentar a Copa do Mundo do Catar para 48 seleções. O inchaço já foi aprovado para a Copa de 2026, a ser organizada por EUA, México e Canadá, mas o presidente da Fifa, Gianni Infantino, quer antecipar já para 2022.

Um estudo encomendado pela própria Fifa concluiu que é possível atender o desejo de seu presidente, desde que o Catar aceite dividir a Copa do Mundo com alguns países vizinhos: Kuwait, Omã, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Arábia Saudita.

O grande obstáculo, neste caso, não está no mundo do futebol, já que todos os países que compõem a Fifa topam aumentar o número de participantes da Copa do Mundo – ou não teriam autorizado 48 participantes para o Mundial de 2026. O problema é que Emirados Árabes, Bahrein e Arábia Saudita (entre outros países) impuseram um bloqueio econômico ao Catar em 2017 e não parecem dispostos a ceder. Pelo mesmo motivo, o Catar também não topa dividir a Copa do Mundo (que é sua por contrato) com esses países.

A solução que será apresentada pela Fifa a seu Conselho nesta sexta-feira será fazer dividir a Copa do Mundo com Omã e Kuwait, países mais “neutros” na região. O que deve acontecer: o Conselho vai autorizar a administração da Fifa a continuar trabalhando num projeto para viabilizar a expansão da Copa do Mundo para 48 participantes já em 2022.

Este projeto, em sua versão final, será então apresentado ao Congresso da Fifa – evento a ser realizado em junho, em Paris, do qual os 211 filiados participam. E aí, numa votação mais ampla, todos os países decidiriam se a Copa do Mundo de 2022 terá 32 participantes, como está desenhado hoje, ou 48, como quer o presidente da Fifa.

Fonte: Globo

Escreva sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Lista de comentários