Temer defende eleições livre e diretas; na Venezuela

O presidente Michel Temer defendeu neste sábado 22 eleições diretas… na Venezuela. Em entrevista à Agência Efe, ele disse que espera por uma solução pacificadora para a crise no país e afirmou que ela só será resolvida com “eleições livres”. Segundo ele, se elas não ocorrerem, o país perderá as “condições de convivência” no Mercosul.

Temer ressaltou o que definiu como “preocupação profunda” que tem em relação ao “povo venezuelano” e disse esperar que, “muito proximamente, haja uma solução pacificadora na Venezuela por meio de eleições livres e com aplicação plena dos princípios democráticos”.

Na entrevista, Temer comentou ainda sobre a entrada de venezuelanos no Brasil, por meio de Roraima, diante da crise, e contou que o governo brasileiro tentou mandar ajuda humanitária ao país, com medicamentos que estariam em falta por lá, mas que a ajuda teria sido recusada.

A Venezuela convive há três semanas com protestos contra o governo de Nicolás Maduro, cuja violência já deixou 23 pessoas mortas. Os líderes da oposição exigem que o presidente convoque eleições gerais, liberte 100 ativistas e respeite a autonomia do Congresso, que é liderado pela oposição.

Escreva sua opnião

O seu endereço de e-mail não será publicado.