Associação dos Oficiais Militares divulga nota em repúdio à decisão judicial que favorece coronéis

A Associação dos Oficiais Militares do Rio Grande do Norte publica hoje uma nota oficial criticando a postura dos coronéis que tentam se manter no posto, mesmo com a previsão pelo estatuto da Policia Militar de que após 30 anos de serviço e cinco anos no cargo o profissional é transferido para reserva.

A Associação alerta que a Justiça está, a revelia da lei, concedendo liminares favorecendo os coronéis. “Fato que traz importante contribuição para alternância de poder e oxigenação dos quadros”, diz um dos trechos da nota.

Leia a nota na íntegra:

JUSTIÇA AJUDA CORONÉIS A SE PERPETUAREM NO PODER A Associação dos Oficiais Militares do Rio Grande do Norte repudia a postura de alguns integrantes do Judiciário potiguar que estão interferindo na administração da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, com decisão que favorece a perpetuação de coronéis no poder.

Esses militares, que já chegaram ao mais alto posto da carreira, estranhamente tentam permanecer no cargo e recorrem ao Judiciário. Aliás, coronéis que, contrariando a lógica, querem ficar no poder e encontram guarida em liminares, acobertando a prática desleal e antidemocrática.

O estatuto dos Policiais Militares do Rio Grande do Norte assegura que o coronel da Polícia Militar após cinco anos no cargo e mais de 30 anos de serviço é transferido compulsoriamente para reserva; fato que traz importante contribuição para alternância de poder e oxigenação dos quadros. Ao profissional que vai para reserva não há qualquer prejuízo financeiro.

De forma estapafúrdia, nos últimos dias, mais uma liminar, destinada a um coronel que está há 11 anos cargo, foi concedida com essa prática que fere frontalmente a legislação vigente.

Natal, 27 de fevereiro de 2020 Associação dos Oficiais Militares do RN #oficiaisrn#pmrn#coronel#reservapolicial

View this post on Instagram

Associação dos Oficiais Militares divulga nota contra decisão judicial que favorece coronéis A Associação dos Oficiais Militares do Rio Grande do Norte publica hoje uma nota oficial criticando a postura dos coronéis que tentam se manter no posto, mesmo com a previsão pelo estatuto da Policia Militar de que após 30 anos de serviço e cinco anos no cargo o profissional é transferido para reserva. A Associação alerta que a Justiça está, a revelia da lei, concedendo liminares favorecendo os coronéis. “Fato que traz importante contribuição para alternância de poder e oxigenação dos quadros”, diz um dos trechos da nota. Leia a nota na íntegra: JUSTIÇA AJUDA CORONÉIS A SE PERPETUAREM NO PODER A Associação dos Oficiais Militares do Rio Grande do Norte repudia a postura de alguns integrantes do Judiciário potiguar que estão interferindo na administração da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, com decisão que favorece a perpetuação de coronéis no poder. Esses militares, que já chegaram ao mais alto posto da carreira, estranhamente tentam permanecer no cargo e recorrem ao Judiciário. Aliás, coronéis que, contrariando a lógica, querem ficar no poder e encontram guarida em liminares, acobertando a prática desleal e antidemocrática. O estatuto dos Policiais Militares do Rio Grande do Norte assegura que o coronel da Polícia Militar após cinco anos no cargo e mais de 30 anos de serviço é transferido compulsoriamente para reserva; fato que traz importante contribuição para alternância de poder e oxigenação dos quadros. Ao profissional que vai para reserva não há qualquer prejuízo financeiro. De forma estapafúrdia, nos últimos dias, mais uma liminar, destinada a um coronel que está há 11 anos cargo, foi concedida com essa prática que fere frontalmente a legislação vigente. Natal, 27 de fevereiro de 2020 Associação dos Oficiais Militares do RN #oficiaisrn #pmrn #coronel #reservapolicial

A post shared by oficiaisrn (@oficiaisrn) on

1 Comentário

GIl Braz Silva Romero

fev 2, 2020, 9:40 pm Responder

Para minha pessoa não é duvidade, pois só quem tem vez infelizmente são os poderosos, altuamente hoje a coisa mudou um pouco, mas ainda muito longe da realidade, isto é da justiça da igualdade, o que eu mais questiondo é desigualdade de valores de salários, uns ganham salário altíssimo e outros ganham um salário mínimo que mal dá para viver e o pior é aquele que não tem salário fixo. Tem servidor da justiça federal com vantagens chega a ganhar uns cento e vinte salários mínimos, segundo a relação dos cinquenta maiores salários do Estado do Rio Grande do Norte, conhecimento, através da internet.

Escreva sua opnião

O seu endereço de e-mail não será publicado.