Centro de Haddad veio tarde


Haddad obteve melhoras consideráveis nos últimos dois dias. No Norte, ganhou quatro pontos percentuais, chegando a 41%. Na capital do Rio, avançou de 33% para 37%. A avaliação é a de que a migração de votos do centro para o petista pode ter chegado muito tarde.

O candidato do PT apareceu neste Datafolha pela primeira vez numericamente à frente de Bolsonaro entre as mulheres: 42% x 41%. Há ainda 7% de eleitoras indecisas.

Em dez dias, Haddad conseguiu avançar cinco pontos percentuais entre eleitores que ganham até dois salários mínimos: foi de 44% para 49%. (Painel – FSP)

Datafolha para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 58%; Haddad, 42%


O Datafolha divulgou nesta quarta-feira (10) o resultado da primeira pesquisa do instituto sobre o segundo turno da eleição presidencial. O levantamento foi realizado nesta quarta, dia 10, e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro (PSL): 58%
Fernando Haddad (PT): 42%

Lula proíbe Haddad de visitá-lo na carceragem da PF em Curitiba


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu que o candidato do partido ao Planalto, Fernando Haddad, deixe de visitá-lo na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba para se concentrar na campanha. A informação é da presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann. “[Lula] mandou um recado para mim. Manda o Haddad fazer campanha, não precisa mais vir aqui”, disse.

“Nós estamos com um curto espaço de tempo. Nós temos que aproveitar as próximas semanas, as duas segundas, para que efetivamente a gente faça a campanha, as conversas que a gente precisa fazer e ganhe essa eleição”, afirmou Gleisi.

Haddad visitou Lula em todas as segundas desde que foi oficializado como candidato do partido, em 11 de setembro. A última visita foi ontem, horas depois do resultado de primeiro turno das eleições que o colocou no segundo turno com Jair Bolsonaro (PSL). Desta vez última vez, porém, Haddad não concedeu entrevista aos jornalistas na frente da PF, como de costume, e escolheu um hotel em Curitiba para receber jornalistas.Mais >

Haddad escolhe acusado de caixa dois como tesoureiro


O candidato do PT à presidência da República, Fernando Haddad, escolheu como tesoureiro seu ex-secretário Francisco Macena. Os dois foram denunciados, em maio deste ano, pelo Ministério Público Eleitoral por suspeita de caixa dois na campanha de 2012 à Prefeitura de São Paulo.

A acusação foi feita pela empresária Mônica Moura, mulher do marqueteiro João Santana, em delação premiada. Segundo ela, ficou combinado com os petistas que, da conta de R$ 30 milhões destinados para a campanha no 1º turno, R$ 10 milhões seriam pagos pela Odebrecht.

A defesa de Francisco Macena, que foi contador da campanha de Haddad à prefeitura, diz que as afirmações da empresária são falsas e que nunca participou de reunião para tentativa de repasse de dinheiro.

Mais >

Em primeiro debate com Haddad, candidatos à presidência direcionam críticas ao PT


Em novo debate, nesta quinta-feira (20), candidatos ao Planalto direcionaram críticas ao governo do PT. Pela primeira vez, um representante do partido compareceu para discutir propostas de governo em rede nacional. Entre os temas, os aspirantes ao Planalto deram destaque a propostas para saúde e criação de emprego. O debate foi promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Aparecida (SP).

No bloco em que os presidenciáveis responderam perguntas de veículos de inspiração católica, o candidato do MDB, Henrique Meirelles, afirmou que a atual situação de desemprego do país foi criada por equívocos econômicos do governo de Dilma Rousseff (PT).

Ao falar sobre a falta de oportunidades no mercado de trabalho para os jovens, Meirelles citou o desemprego como porta de entrada para o crime organizado. Como proposta para resolver o problema, o candidato do MDB afirmou que é preciso dar oportunidades através do ensino integral nas escolas.Mais >

Haddad: Saco cheio do Lula Livre!


Haddad não vê a hora da sua unção. Ele não aguenta mais falar do líder máximo, repetir que Lula tem que ser solto, que o Brasil atenta contra a democracia. O candidato está ansioso para mostrar o que ele próprio pensa. Mas não fala e ataca quem fale sobre tomar atalhos para se livrar logo de Lula preso. Vai que Lula ouve.

PT tenta inovar: Lula ou Haddad?


O prazo final para o registro dos candidatos à Presidência é hoje, dia 15. Espera-se que o PT tente registrar Lula como seu candidato, sabendo embora que é inelegível, para que haja impugnação, recursos, embargos, e a coisa se arraste até 15 de setembro, fim do prazo de programação da urna eletrônica. O objetivo é colocar nome e foto de Lula na urna, mesmo que o candidato seja Haddad, para que o eleitor vote em Haddad pensando que vota em Lula.

Há um risco: se o TSE recusar o registro de Lula, encerra-se a manobra. Há um risco maior: o TSE recusar o registro e rejeitar qualquer substituição. Nesse caso, o PT deixa de ter candidato à Presidência.

Medo de tumulto

O setor de Inteligência de Brasília está preocupado com a possibilidade de tumultos na cidade durante a reunião do Tribunal Superior Eleitoral. O MST programou a “marcha a Brasília”, tentando reunir cinco mil pessoas em frente ao tribunal para manifestar-se por Lula. O temor é de que a marcha vise tumultuar Brasília, com invasões, fogo nas ruas, depredações e invasão de prédios públicos – o que já ocorreu em casos semelhantes. Dois mil homens deverão cuidar da segurança da cidade contra a bagunça.