Sérgio Moro quer a divulgação total do seu depoimento


No mesmo dia em que o procurador geral da República, Augusto Aras, decide pedir que os três integrantes do primeiro escalão citados pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública sejam ouvidos, Sérgio Moro entra com uma petição no Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhada ao ministro Celso de Mello, para que o conteúdo do seu depoimento seja divulgado. Por meio dos seus advogados, Moro diz não se opor à publicidade total dos autos.

“Considerando que a imprensa, no exercício do seu legítimo e democrático papel de informar a sociedade, vem divulgando trechos isolados do depoimento prestado pelo requerente em data de 2 de maio de 2020, esta defesa, com intuito de evitar interpretações dissociadas de todo o contexto das declarações e garantindo o direito constitucional de informação integral dos fatos relevantes — todos eles de interesse público — objeto do presente inquérito, não se opõe à publicidade dos atos praticados nestes autos, inclusive no tocante ao teor integral do depoimento prestado pelo requerente”, diz a petição.

Mais >

PAULO HENRIQUE AMORIM (in memoriam) PREVIU: ‘O que Bolsonaro e os filhos estão achando do exibicionismo de Moro na Globo?’

.

.

.

SAÍDA DE MORO: Presidente do Sindicato dos Policiais Federais de SP diz que PF vai continuar independente; Bolsonaro aplaude fala


A doutora Susanna Val Moore, presidente do Sindicato dos Policiais Federais do estado de São Paulo, disse em vídeo gravado na noite de sábado (25/4), que a Polícia Federal continuará atuando com autonomia, de forma independente e sem interferência.

Nós temos observado que nos últimos 20 anos a Polícia Federal tem exercido um protagonismo no combate à corrupção, tem exercido suas atribuições de forma independente, e isso decorre da própria estrutura do órgão e principalmente da qualidade dos seus agentes.“, diz Susanna.

Mais >

Moro pede demissão após troca na PF, e Bolsonaro tenta reverter, disse a Folha de SP


O presidente Jair Bolsonaro comunicou o ministro da Justiça, Sergio Moro, nesta quinta-feira (23) que pretende trocar a diretoria-geral da Polícia Federal, hoje ocupada por Maurício Valeixo.

Bolsonaro informou o ministro que a mudança deve ocorrer nos próximos dias. Moro então pediu demissão do cargo, e Bolsonaro tentar reverter a decisão.

Mais >

“Não se resolve criminalidade abrindo as portas das cadeias”, diz ministro Moro


O ministro da Justiça, Sergio Moro, divulgou neste sábado (15), pelo Twitter, os números do sistema carcerário no Brasil. Segundo ele, é preciso, sim, melhorar os presídios e a forma como se reabilita os presos. “Mas não se resolve a criminalidade abrindo as portas das cadeias.”

De acordo com os dados do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), estão presas atualmente 773.151 pessoas no Brasil. “Número absoluto elevado”, admite o ministro em seu post. Mas, relativiza, não tão alto se colocado na proporção número de presos por 100 mil habitantes: 367,91 nessa escala.

Mais >

De férias, Moro é aplaudido ao embarcar em voo para os EUA


Sergio Moro, que está de férias de suas funções de Ministro da Justiça e Segurança Pública, vai passar o período de licença nos Estados Unidos. De acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, Moro, sua mulher Rosângela e a filha Júlia embarcaram na sexta-feira à noite em Viracopos, em Campinas.

Segundo o colunista, o ministro foi “aplaudido moderadamente” ao ser reconhecido por quem estava no local. Ele ficará afastado da pasta até o dia 19 de julho.

Em comunicado, o Ministério informou que a licença servirá para “tratar de assuntos particulares”.

MORO: Divulgação de conversas com Dallagnol foi ataque organizado por “grupo criminoso”


O ministro da Justiça, Sérgio Moro, participa, nesta quarta-feira (19), de uma audiência na Comissão de Constituição, Justiça no Senado.

O ministro foi questionado sobre as supostas mensagens trocadas entre ele e Deltan Dallagnol, procurador e chefe da Força-Tarefa que investiga a Lava Jato divulgadas pelo portal The Intercept. Em sua defesa o ministro considerou criminosa a invasão dos celulares, e vê o ato como uma tentativa de invalidar as condenações feitas por lavagem de dinheiro e corrupção.

Moro também fez questão de destacar que o ataque não foi ao acaso. “Quem faz essas operações contra inteligência não é um adolescente com espinhas na frente do computador, mas sim um grupo criminoso estruturado”, afirmou o ministro.

Aos senadores, o ministro contou que entregou o aparelho invadido para a Polícia Federal para dar início às investigações, reafirmando que não teme o conteúdo que está no celular. Ele relatou como ocorreu o ataque.Mais >

PF suspeita de ação orquestrada na invasão de celulares de Sérgio Moro e de procuradores


A Polícia Federal suspeita que a invasão ao celular do ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e a procuradores da Operação Lava Jato tenha sido planejada.

Os investigadores estão colhendo indícios sobre a autoria, sobre quem teve acesso de forma ilegal a conversas privadas do ministro e qual o método usado pelos hackers.

No caso de Moro, já se sabe que o ministro atendeu a uma ligação de um número igual ao dele, e que isso permitiu o acesso ilegal ao aplicativo Telegram –que Moro não usava mais.Mais >

CNJ arquiva pedido para investigar Moro no caso das mensagens sobre a Lava Jato


O corregedor do Conselho Nacional de Justiça, Humberto Martins, determinou nesta terça-feira (11) o arquivamento de um pedido para investigar a conduta do ministro da Justiça, Sérgio Moro, em supostas mensagens trocadas com o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná, o procurador da República Deltan Dallagnol. Cabe ao CNJ decidir questões sobre a conduta dos magistrados de todo o país, com exceção dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

No último domingo (9), o site The Intercept publicou uma série de reportagens que revela o conteúdo de mensagens extraídas de um aplicativo na época em que Moro ainda era juiz federal e julgava os processos da Lava Jato no Paraná. Segundo uma das reportagens, o atual ministro da Justiça orientou ações dos procuradores da República que atuavam na força-tarefa e cobrou de Dallagnol novas operações.

Humberto Martins rejeitou o pedido de investigação apresentado pelo PDT com a justificativa de que Moro não pode mais ser alvo de um procedimento do CNJ em razão de ter abandonado a carreira de magistrado.Mais >

Pacote anticrime: relatório do texto de Moro mantém excludente de ilicitude para policiais


O relatório que o deputado Capitão Augusto (PR-SP), líder da bancada da bala , apresentará sobre o pacote anticrime mantém as principais propostas do seu autor, o ministro Sergio Moro , inclusive o excludente de ilicitude que isenta de pena agentes de segurança pública que matarem “em conflito armado ou em risco iminente de conflito armado” quando estiver diante de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”. O relator tinha cogitado deixar esse tema para ser votado em separado no grupo de trabalho que faz a primeira análise do projeto.

Além de manter o teor do texto, Capitão Augusto propôs um endurecimento: o aumento da pena máxima de prisão de 30 para 40 anos, sugestão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O relator também acatou a proposta de determinar em lei que o réu seja preso depois de ser condenado em segunda instância, de Sergio Moro.

O texto, a que o GLOBO teve acesso, será apresentado na próxima semana aos deputados que compõem um grupo de trabalho na Câmara dos Deputados. O colegiado avalia, além do pacote de Moro, as sugestões feitas por Moraes.Mais >

Se Lula perder no STF, prisão não será imediata e data depende do juiz Moro


Será algo incomum se o juiz Sergio Moro determinar a prisão do ex-presidente Lula antes da terça-feira (10), mesmo que o Supremo Tribunal Federal (STF) negue o habeas corpus da defesa do petista nesta quarta (4).

Apesar do clima de prisão iminente entre manifestantes favoráveis e contrários a Lula, o processo do tríplex ainda cumpre formalidades no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e não esgotou a sua data.

Procuradoria frustra Eduardo Cunha e diz que Moro não é suspeito


O Ministério Público Federal se manifestou contra a suspeição do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, requerida pelo ex-deputado Eduardo Cunha (MDB/RJ).

A manifestação foi enviada ao Superior Tribunal de Justiça nesta terça-feira (23), e ressalta que ‘não foi caracterizada a ausência de imparcialidade do magistrado no julgamento de ação penal relativa à Operação Lava Jato’. As informações foram divulgadas no site da Procuradoria.

No dia 16, o Ministério Público Federal no Distrito Federal pediu a condenação do ex-presidente da Câmara a 386 anos de reclusão. Segundo a Procuradoria, o emedebista foi ‘o líder e o principal articulador de um esquema criminoso na Caixa Econômica Federal’.Mais >

PT vê risco de ‘rebeldia popular’ se Lula ficar de fora em 2018


O Diretório Nacional do PT aprovou neste sábado, 16, uma resolução política na qual reafirma a defesa da pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Diz que a eventualidade de o petista ser barrado pela Justiça pode levar à “rebeldia popular” e alerta para o risco de “desobediência civil” diante de suposta “arbitrariedade” do Judiciário.

A decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) de marcar para o dia 24 de janeiro o julgamento que pode tornar Lula inelegível – chamado de “casuísmo” no documento – dominou os dois dias de reunião da cúpula petista realizada em São Paulo.

Durante o encontro, o partido reiterou que vai insistir na candidatura de Lula até o fim, rejeitou um plano “B” e ouviu advogados para criar uma narrativa na qual a possível condenação do ex-presidente pelo TRF-4 não encerra a disputa jurídica pelo direito de o petista disputar o Planalto pela sexta vez, em 2018.Mais >

Intervenção militar não é solução. Esse e outros recados de um Moro cansado


Sergio Moro está cansado da Lava Jato. Normal. Qualquer pessoa que estivesse na mesma função dele, teria ficado grisalho (ou careca) com seis meses de trabalho – e lá se vão três anos e meio de operação. 

Moro (e o brasileiro médio contra a corrupção) tem uma rotina de Sísifo, aquele personagem da mitologia grega que todo dia empurra uma pedra montanha acima e, toda vez que quase alcança o topo, a pedra rola para baixo. O absurdo não apenas cansa, como enlouquece.

Não, Moro não está maluco. Mas, assim como o restante do país, parece cansado de teorias simplistas (e malucas). No franco bate-papo com jornalistas em São Paulo, na segunda-feira (3), soltou alguns recados para alertar gente que acha que um desfecho da luta contra a corrupção vai cair do céu.Mais >

Moro começa nesta semana contagem regressiva para decisão que pode tirar Lula das eleições de 2018


A partir desta semana o juiz federal Sergio Moro, responsável pela Lava Jato em primeira instância no Paraná, pode dar o pontapé inicial em um movimento que pode terminar com a inelegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e comprometer sua candidatura à Presidência da República em 2018. A partir de quarta-feira (21), o magistrado poderá proferir a sentença do ex-presidente e outros seis réus no processo envolvendo o tríplex no Guarujá.

Uma possível condenação por Moro não torna Lula imediatamente inelegível para 2018. Pela lei Ficha Limpa, o candidato só está impedido de concorrer nas eleições se houver uma condenação por um colegiado em segunda instância. Neste caso, seria preciso uma condenação pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), que costuma manter – e em alguns casos até aumentar – as penas impostas por Moroem Curitiba.Mais >

Defesa de Lula rebate Moro no TRF4


A defesa do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva protocolou ontem (6/6) petição que contesta as informações prestadas pelo juiz Sergio Moro ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, relativamente ao Habeas Corpus n. 700003443063.  
A petição reproduz os diálogos ocorridos no final da audiência da manhã do dia 05/06, evidenciando o momento em que a defesa de Lula foi informada sobre os “vários” depoimentos prestados por colaboradores do Grupo Odebrecht que foram anexados e, ainda, que o próprio juiz Sergio Moro constatou não ter havido prévia intimação na forma da lei. A defesa registrou: “Vossa Excelência está dando ciência agora, eu não sei se teve coisa nova”. 
Para dirimir qualquer dúvida, a petição transcreveu manifestações da defesa, da representante do Ministério Público Federal e do juiz Sérgio Moro quando o tema foi debatido. Mais >

MPF pede prisão do ex-presidente Lula no caso do triplex


O Ministério Público Federal (MPF) pediu a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outros seis réus pelos crimes de corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro. O pedido feito ao juiz Sérgio Moro, nesta sexta-feira (3), indica que os condenados cumpram as penas em regime fechado.

O pedido de prisão de Lula consta nas alegações finais do processo que apura suposto pagamento de propina pela OAS ao ex-presidente, por meio da entrega de um apartamento triplex no Guarujá, litoral paulista, segundo o G1.

O MPF afirma que o apartamento seria entregue a Lula como contrapartida por contratos que a OAS fechou com a Petrobras, nos anos em que o político foi presidente da República. Mais >

Moro é aplaudido de pé durante conferência em Portugal ao falar de combate à corrupção


O juiz federal Sérgio Moro foi uma das estrelas do segundo dia da Estoril Conferences 2017 que acontecem esta semana, em Portugal. Apresentado como “o super juiz brasileiro da Lava Jato”, Moro integrou o painel sobre combate a corrupção ao lado de outros famosos do mundo jurídico como Antonio di Pietro, procurador responsável pela operação Mãos Limpas que lutou contra a máfia na Itália, e Carlos Alexandre, juiz da operação Marques, em Portugal.Mais >

Caveirão, helicóptero e snipers: o esquema de segurança no depoimento de Lula


O aparato de segurança montado para a vinda do ex-presidente Lula a Curitiba nesta quarta-feira (10), para depor ao juiz Sérgio Moro, na operação Lava Jato, chamou atenção na capital. Quem passou pela manhã e no começo da tarde nas imediações da Justiça Federal, no bairro Ahú, viu o veículo blindando da Polícia Militar conhecido como “caveirão”, centenas de policiais e até atiradores de elite, os snipers, posicionados estrategicamente no topo de prédios do entorno.

Pelo menos dois helicópteros sobrevoam a região. Ao todo, segundo informações da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), cerca de 1,7 mil policiais atuam no esquema de segurança nesta quarta, em toda a cidade.

Enquanto o ex-presidente Lula depõe, manifestantes a favor e contra o petista fazem protestos em diferentes regiões de Curitiba. A ala pró-Lula está concentrada na praça Santos Andrade, no Centro. Já os apoiadores da Lava Jato estão nos arredores do Museu Oscar Niemeyer (MON), no Centro Cívico. (mais…)

Moro nega pedido de Lula para gravar depoimento e barra celulares


O juiz Sérgio Moro negou o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para fazer uma gravação própria do depoimento do petista marcado para a próxima quarta-feira (10). Apesar da negativa, o magistrado apontou que será feita uma “gravação adicional”, com outro ângulo. Mais >