Deputado Carlos Augusto esclarece episódio de agressão em Caicó

O episódio ocorrido em Caicó envolvendo o deputado estadual Carlos Augusto Maia (PTdoB) e agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi esclarecido em sessão ordinária nesta quarta-feira (5) na Assembleia Legislativa. Carlos Augusto Maia exibiu o vídeo em que é agredido pelos agentes da Polícia Rodoviária Federal e apresentou dados da Polícia Civil que o inocentam da acusação de desacato à autoridade e ainda apontam que o parlamentar pode ter sido vítima de abuso de autoridade policial.

O parlamentar iniciou o pronunciamento dizendo que só agora pode provar o que está afirmando. “Minha indignação foi muito grande desde os primeiros momentos. Pelo que ocorreu e, também, por tudo o que foi sendo dito sobre este episódio. Fui duplamente desrespeitado, duplamente ultrajado”, disse o deputado.

Carlos Augusto Maia contou detalhes da abordagem policial e narrou ser vítima de acusações comentadas pela PRF e nas redes sociais. “Ora, quem iria acreditar que um político saindo de um ambiente festivo àquela hora da manhã estaria na sua razão enquanto policiais de trânsito estariam errados? Ainda mais no período em que vivemos? Mas eu fui injustiçado”, comentou.

O vídeo de quase 20 minutos exibido em plenário mostra a atuação dos policiais e a reação do deputado que foi levado ao chão pelos agentes, agredido e algemado. “A sociedade pode fazer o julgamento diante das imagens. Fui agredido e humilhado. Eles tentaram de todas as formas retirar minha razão e eu me mantive calmo. Apenas após as agressões é que me identifiquei como deputado. Não estava cometendo crime algum. Falei que era advogado, que era um jovem honesto, que era deputado estadual”, falou emocionado.

Segundo o parlamentar, após análise dos autos e conflitos de provas, o delegado regional de Caicó, responsável pelo caso apresentou relatório à Assembleia Legislativa. “O excelentíssimo deputado estadual se prontificou, de livre e espontânea vontade, a prestar declarações o que, por si só, demonstra seu desprendimento republicano à autoridade de sua função, agindo como um verdadeiro cidadão merecedor de grande respeito social”, relatou no processo o delegado da Polícia Civil Helder Carvalhal de Almeida baseado no conceito jurídico de foro privilegiado, em que o parlamentar pode não prestar esclarecimentos à autoridade policial estadual.

3 Comentários

Wunglen

ago 8, 2015, 7:38 pm Responder

Se a PRF agiu a sim com um deputado imagine com uma pessoa comum no carnaval de 2014 no anel viario de caico eles mi decharam se queimando no asfalto e ele ficou fingindo dormi com meus documento preso e achave do meu veiculo

Fátima Fernandes

ago 8, 2015, 12:33 am Responder

imagino que essa pessoa tava coberta de razão…pq a PRF tem mania de fazer tudo errado né?
ora, faça-me o favor….DIREITO TEM QUEM DIREITO ANDA….
O RESTO É MI MI MI…CHORADEIRA BESTA…

antonio

ago 8, 2015, 8:05 am Responder

isso eh Brasil. onde tudo pode e pode de tudo. vc imagine um cidadao q nao conhece nada e nao sabe de nada. haja sofrimento. mas eu vejo q DEUS eh maior entre todas as criaturas.

Escreva sua opnião

O seu endereço de e-mail não será publicado.