MPF entra com ação para obras de acessibilidade no campus da UFRN em Caicó

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou uma ação pedindo que a Justiça determine obras de acessibilidade no Centro de de Ensino Superior do Seridó (Ceres) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. De acordo com um laudo de dezembro de 2013, o campus apresenta obstáculos para portadores de deficiência ou com a mobilidade reduzida.

Assinada pelo procurador Bruno Lamenha, a ação pede 111 intervenções em 13 prédios do Ceres, incluindo a instalação de rampas, adaptação de sanitários, sinalização tátil, ampliação de portas e retirada de obstáculos em áreas de circualção. No laudo do MPF, foram registradas 33 inconformidades na estrutura física do campus.

Entre as irregularidades estão cessos para pedestres sem rampa de rebaixamento de calçada; estacionamento sem demarcação de vagas e com piso irregular; inexistência de sinalização visual ou tátil indicando as edificações. Os peritos constataram ainda a falta de proteção de corrimãos ou guarda-corpos em algumas passarelas; pisos irregulares ou desnivelados; passagens obstruídas; e até um auditório sem previsão de assentos para obesos, pessoas com mobilidade reduzida ou espaço para cadeira de rodas.

1 Comentário

Julia Carvalho

fev 2, 2015, 7:38 pm Responder

Enfim alguém está olhando para as irregularidades do CERES. Nem parece uma universidade federal!
Parabéns ao Ministério Público.

Deixe uma resposta para Julia Carvalho Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.