No Brasil, mata-se mais do que no resto do mundo

cara com revolverÉ mais fácil observar o que há de errado na casa do vizinho do que na nossa casa. Nicolás Maduro, presidente da República Bolivariana da Venezuela, autorizou a polícia e o exército a usarem balas de verdade para reprimir manifestações que atentem contra a segurança nacional.

No Brasil, enquanto durou a ditadura de 64, a violência partida do Estado sempre se justificava em nome da segurança nacional. A Venezuela está perto de virar uma ditadura. Quanta nós… No Brasil democrático, somente em São Paulo a polícia matou 707 pessoas em 2014, mais do que o dobro do ano anterior. No Rio, o total de mortos pela polícia foi de 582, superando o total de 2013.

De 2008 a 2013, a polícia brasileira matou em todo o país 11.197 pessoas, batendo com folga o número de mortos feito pela polícia norte-americana em 30 anos. Se levarmos em conta o total de homicídios (206 mil)  no país entre 2004 e 2007, ele deixa para trás o total de mortos no mesmo período nos 12 maiores conflitos armados do mundo.

Ao todo, morreram 170 mil pessoas nos confrontos de Iraque, Sudão, Afeganistão, Colômbia, República Democrática do Congo, Sri Lanka, Índia, Somália, Nepal, Caxemira, Paquistão e Israel. Dilma se reelegeu prometendo, entre outras coisas, combater a violência crescente no Brasil. A ver.

 
Por Ricardo Noblat

1 Comentário

Sinval Pereira

fev 2, 2015, 7:31 pm Responder

Comparação totalmente descabida. As mortes na Venezuela, que na prática é uma ditadura, e na Ditadura Militar (1964-1985) são basicamente de civis desarmados que protestavam contra o governo. No Brasil, as mortes são, na maioria das vezes, em confronto com bandidos extremamente ousados e bem armados. No fundo, esses números se dão em decorrência de uma sociedade violenta onde quase 60 mil pessoas são assassinadas todo ano.

Deixe uma resposta para Sinval Pereira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.