Repórter Fotográfico de Jardim de Piranhas é preso após “injúria e difamação” contra a PM

O repórter fotográfico, Naquib Libânio, foi preso por policiais do Grupo Tático Operacional Rodoviário (GTOR), com apoio do Ronda Escolar, da cidade de Caicó, por “injúria e calúnia” contra a Polícia Militar, após ter sido desautorizado a fotografar corpo de funcionário público na RN-288.

“O repórter foi apenas desautorizado a estar no perímetro do acidente, local de perícia, onde estava o corpo do jardinense EDIVAN, com isso o cidadão se sentiu ofendido e passou a atacar, de forma exponencial, a PM nas redes sociais”, disse Cb J. Batista.

Usando ferramentas de comunicação social, o repórter não se limitou nas críticas, passando a atacar, de forma convincente, o PM que hora cumpria, embaixo de sol escaldante, seu papel de Agente Público, preservando local do óbito, essencial para o trabalho de Perícia.

Diante da repercussão, cerca de 15 policiais militares iniciaram diligências para localizar o repórter falador, que por volta das 16 horas, foi encontrado pelo GTOT e homens do Ronda Escolar; e levado à delegacia de plantão na cidade de Caicó, onde foi entregue.

“Não vamos permitir que nosso trabalho seja desmoralizado por ninguém, não é justo um PM está trabalhando e um cidadão querer intervir para obstruir a cena. Vamos entregá-lo à autoridade competente e cobrar punição para ele”, disse CB J. Batista.

Naquib Libânio tem feito alguns trabalhos voluntários em algumas cidades do Seridó com imagens áreas (drone), inclusive do carnaval de Caicó, contudo, nada justifica o fato de hoje. Internautas o criticaram pela atitude que tomou, sem pensar, nessa data, 18.

Lembrando que a exposição de corpos é vedada perante à lei vigente, podendo a família (vítima) cobrar na justiça o desagrado de ter o corpo de um ente querido exposto nas redes sociais.

Internautas não gostaram nada disso e partiram para proteger a polícia.

CONCURSOS-NOVOS-DDDD

2 Comentários

Roberto Negreiros

fev 2, 2016, 6:18 pm Responder

Parabéns à Polícia Militar, Instituição centenária e composta por abnegados homens e mulheres, filhos, país, netos, avôs e avós, cidadãos que merecem respeito. Perícia Criminal é uma ciência e o agente público tem o dever e a obrigação de zelar. Sou Pai, Sociólogo, filho, minha esposa é jornalista e queremos acreditar que este blogueiro foi apenas infeliz e vai aprender a respeitar a nossa Instituição Policial, zeladora da ordem, da paz e que garante que o CAOS não se instale e que as pessoas tenham a quem recorrer quando preciso for.

jose adailton gonzaga farias

fev 2, 2016, 1:40 pm Responder

diante de um quadro como esse, é de se lamentar como se faz jornalismo nos dias de hoje, qualquer pessoa, sai por ai com uma câmara ou um aparelho de celular a fotografar e captar imagens, isto, desrespeitando garantias constitucionais e as instituições, pessoas assim, nunca passaram pelos bancos de uma universidade e nem conhece a ética no jornalismo, todo profissional tem sua autoridade ao desempenhar suas funções, cabe a outros profissionais o respeito quando estiverem desenvolvendo suas atividades, tudo tem limite, e o respeito tem que prevalecer, para que a sociedade flua em paz.

Deixe uma resposta para Roberto Negreiros Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.