Romário diz: “Achava que política era só ladrão e sacanagem. E acertei”

rtu45u4

Se como jogador ele perseguia títulos e gols, Romário agora mostra ambição política proporcional a sua obsessão pelo milésimo tento nos gramados. Ele tomou posse como senador no início de fevereiro, mas não deixa de perseguir o cargo de seus sonhos.

“Existe uma diferença muito grande entre Legislativo e Executivo. Ser prefeito do Rio de Janeiro é uma responsabilidade do c… É a posição mais charmosa da política. Eu quero ser prefeito do Rio. Existe a possibilidade de eu sair candidato no ano que vem. Mas ainda não tenho 100% de certeza”, diz, em entrevista exclusiva à PLACAR.

Para sedimentar um provável pleito à prefeitura em 2016, o Baixinho reivindica a presidência do diretório estadual de seu partido, o PSB. Segundo ele, como o deputado federal Glauber Braga, atual presidente da sigla no Rio de Janeiro, não atingiu os 5% de votos na eleição exigidos pelo estatuto, o posto tem de ser passado em seu nome.

“Estamos num processo para eu pegar a presidência do partido. Por direito. O atual diretório não atingiu a cláusula de barreira e a direção atual foi destituída. Hoje o partido está acéfalo, parado. Já era pra eu ter sido nomeado presidente e os caras ficam enrolando. Porra! Aí eu tenho que me estressar. Ou dá ou não dá. Não enrola.”

Romário foi alçado à política ainda nos tempos de jogador, quando o presidente do Vasco, Eurico Miranda, abonou sua filiação ao PP. Os dois ainda mantêm boa relação. “Sou amigo do Eurico, gosto dele”, afirma. Além do esporte e da causa pelas pessoas com deficiência, o ex-atacante alardeia que sua principal bandeira é a honestidade.

“Eu decidi ser candidato a senador porque vi que o quadro do Rio de Janeiro só tinha ladrão, corrupto, nego metido em merda, quase na cadeia. Fui eleito com o maior número de votos da história do estado [4,6 milhões]. Nada mais, nada menos me credencia para ser o próximo prefeito do Rio. Se é na eleição que vem ou na outra, não sei. Mas um dia eu serei, isso aí tu pode escrever.”

Crítico do governo e da lentidão para a aprovação de seus projetos no Congresso Nacional, Romário usa da velha ironia e escancara sua insatisfação com os atores do cenário político: “Achava que política era só ladrão e sacanagem. E acertei.”

A entrevista completa de Romário está na PLACAR de abril, que marca os 45 anos da revista e chega às bancas na próxima segunda-feira.

Fonte: PLACAR

1 Comentário

silvana Azevedo de souza

mar 3, 2015, 9:41 pm Responder

Esse é o peixe,valeu Romário.

Deixe uma resposta para silvana Azevedo de souza Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.