Papa Francisco autoriza debate sobre possibilidade de homens casados virarem padres

A pedido do cardeal brasileiro dom Claudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo, o papa Francisco autorizou o debate em torno da possibilidade de se ordenar homens casados para o sacerdócio, ao menos em regiões remotas com escassez de padres, como na região amazônica. A informação, ainda não confirmada pelo Vaticano, foi publicada pelo jornal italiano Il Mensaggero.

A proposta defendida por Hummes, que hoje é presidente da Comissão Episcopal da Amazônia, órgão da CNBB,  é a de que homens atuantes em suas comunidades possam assumir a direção de uma paróquia e administrar sacramentos, sendo liberados do celibato. A opção é chamada no meio católico como viri probati (homens provados) e o tema provavelmente estará na pauta do recém anunciado Sínodo Pan-Amazônico, convocado para 2019, e que deve reunir bispos dos países da região amazônica.Mais >

Papa Franscico pede que “armas se calem” na Síria

0aa

Pontífice pede solução negociada para conflito e lembra vítimas de terrorismo no mundo, durante tradicional mensagem de Natal no Vaticano, antes da bênção Urbi et Orbi.O papa Francisco lançou neste domingo (25/12) um apelo à paz “na Síria martirizada, onde tanto sangue foi já derramado” pedindo que “as armas se calem definitivamente”.Mais >

Papa Francisco permite perdão do aborto durante Ano Santo

O Papa Francisco autorizou todos os padres a perdoarem formalmente as mulheres que fizeram aborto e buscam o perdão. A medida vai valer durante o ano santo da Igreja Católica, que vai de dezembro de 2015 a novembro de 2016. Segundo o Papa, será o ano do perdão.

Em uma carta publicada, nesta terça-feira (1), pelo  vaticano, o pontífice descreve o calvário existencial e moral enfrentado por mulheres que interrompem a gravidez. Francisco diz ainda que já conheceu muitas mulheres que carregam as cicatrizes dessa decisão tão dolorosa.

Essa é a mais recente revisão da doutrina católica feita pelo Papa Francisco, que tem tentado promover, desde o início do seu pontificado, uma Igreja bem mais aberta e inclusiva. No mês passado, o Papa argentino pediu que divorciados não sejam tratados como excomungados. O aborto, assim como o divórcio, é motivo de excomunhão automática.