Em vídeo, o PCC diz que tudo começou em Caicó e o governo nada fez para separá-los

No vídeo, o PCC diz não querer mais ser oprimido, e que a facção não admite baderna, que queima escolas e outros prédios públicos. No comunicado, a facção diz que se o governo não intervir, vai ter mais derramamento de sangue.

Escreva sua opnião

O seu endereço de e-mail não será publicado.